Resenha | Os Legados de Lorien




Livro: Saga  - Os Legados de Lorien
Autor (a): Pittacus Lore
Páginas: 1492
Editora: Intríseca
Classificação:
Sinopse: Nove de nós vieram para cá. Somos parecidos com vocês. Falamos como vocês. Vivemos entre vocês. Mas não somos vocês. Temos poderes com os quais vocês só podem sonhar. Somos mais fortes e mais rápidos que qualquer coisa que já viram. Somos os super-heróis que vocês idolatram nos filmes — mas somos reais. O planeta Lorien foi destruído. Os habitantes foram dizimados, exceto nove crianças e seus Guardiões, que se exilaram na Terra. Mas a raça que devastou aquele planeta os seguiu. Os Nove estão sendo caçados. A guerra deles chegou à Terra, e aqui será decidida.

Os Legados de Lorien chegaram no Brasil em 2011, na onda do filme Eu Sou o Número Quatro, adaptação do primeiro livro da saga. O filme não foi nenhum sucesso de bilheteria e rapidamente foi parar nas tvs por assinatura, mas conquistou um público curioso, que não satisfeito em saber da história somente pelo filme (que ainda aguarda uma possível continuação), e resolveu buscar nos livros o final da história.



ATENÇÃO! EXISTEM SPOILERS NO TEXTO, APESAR DE TENTAR PRESERVAR A MAIOR PARTE DA AÇÃO DA OBRA, ALGUNS SPOILERS FORAM INEVITÁVEIS!

A história começa como uma ficção científica leve, com um romance açucarado, bem infanto-juvenil. Eu Sou o Número Quatro, é bem melhor que sua versão cinematográfica, mas não chega a ser um livro inesquecível. Nosso mocinho é um jovem de 15 anos que está descobrindo seus poderes alienígenas e vivendo o seu 1º amor. Depois de uma vida em fuga, se escondendo dos vilões interplanetários que o perseguem, ele pela primeira vez quer ficar numa cidade, onde finalmente fez uma amizade sincera, Sam, e encontrou a garota dos seus sonhos, a bela e doce Sarah. Durante boa parte do primeiro livro, o maior problema de John é enfrentar as armações de seu rival, o ex namorado de Sarah, Mark, filho do xerife.

Tudo ficaria bem, se seus inimigos não o encontrassem e explodissem boa parte da cidade tentando eliminá-lo. E teriam conseguido se não fosse a chegada de mais um lorieno a cidade de Paradise: Seis. A número seis não só chega para ajudar como para mudar totalmente o rumo da história. A partir do segundo livro, a história sai da cidadezinha de Paradise, deixa de ser um romance açucarado e passa a ser uma verdadeira aventura de ficção científica. Em O Poder dos Seis (péssima tradução do título que na verdade deveria ser O Poder da Seis), John, Sam e Seis fogem de Paradise e partem em uma busca para achar os 4 lorienos que vieram com eles na nave para a Terra, que eles sabem que ainda estão vivos e espalhados pelo mundo. Enquanto buscam por pistas, se escondem dos mogs (os vilões), treinam seus poderes e ensinam Sam a lutar, ainda acham tempo para viver um triângulo amoroso, bem menos açucarado e bem mais interessante que o primeiro livro.

No terceiro livro, eles estão separados, Seis foi atrás da Sete (Marina) e John e Sam foram investigar atividades mogadorianas suspeitas. Sam é capturado, e John encontra Nove enquanto tenta resgatá-lo.  Em A Ascenção dos Nove (de novo tradução errada), o romance é posto de lado, e as cenas de ação correm soltas, com complô governamental, vilões cada vez mais poderosos e muito sofrimento na vida dos nossos mocinhos. O grupo cresce, quando entra na história Ella, que tinha ido atrás de Marina seguindo a mesma pista que Seis (que eles vem a descobrir ser a número dez, que nem sabiam existir) e encontram também o Oito. Mas Seis é capturada e Sarah é encontrada! Pois é, vocês não sabiam que ela tinha sumido? Nem eles! Eles mal tem tempo de respirar e o leitor também não, muita adrenalina.



Já no quarto livro, A Queda dos Cinco, a ação continua, eles acabaram de localizar o Cinco, mas ele é diferente dos outros, fechado, agressivo e parece frio e distante. O livro vai estabelecer as relações interpessoais entre eles. Um John cheio de culpa por ter traído a Sarah, uma Seis ciumenta, uma Ella fascinada pelo Nove, Sam cada vez mais apaixonado pela Seis e Marina e Oito se apaixonam. A parte da ação até que é boa, apesar de não manter o mesmo pique de adrenalina, mas a parte romance volta a ser aquela coisa água com açúcar, bem infantil. O auge do livro é a revelação do passado de Cinco. Aquele que só se deu mal desde que chegou na Terra.

A Vingança dos Sete traz uma Marina descontrolada, cheia de energia e poder. A trama se divide em várias linhas de investigação na busca de encontrar meios de enfrentar e destruir Sétrakus Ra, o líder mogadoriano. São muitos confrontos e nossos jovens heróis não tem muitos recursos com que possam contar. Mais revelações sobre Lorien, Sétrakus e Pittacus ajudam a entender o que aconteceu no passado e entender os objetivos desse vilão. E o grupo ganha um aliado mog, Adam!

O sexto livro, O Destino da Número Dez, é aquele ensaio para a batalha final, eles estão de novo divididos em 2 grupos, um grupo, liderado por John, tenta convencer os humanos dos perigos de se aliar aos mogs, e luta para desmascarar Sétrakus. Já o outro grupo, liderado por Seis quer libertar a entidade loriena que os antepassados esconderam na Terra. Muita gente não gostou desse livro marcado por passos errados dados por nossos heróis, pequenos desencontros, erros de decisão e grandes perdas como resultado. É também neste livro que morre o primeiro membro jovem do grupo. O livro acaba com eles chegando no fundo do poço!!!

Para concluir a saga, o último livro, Todos Somos Um, é o mais clichê possível, traz humanos aliados a Lorienos, liderados pelos EUA, um final com um mínimo de perdas e danos, os maus sendo punidos, mais romance água com açúcar, e nossos heróis agindo como heróis (sem dúvida, sem medo, com altruísmo, com dignidade)!!! Ou seja, o final é totalmente infantil!!!! Fechadinho, arrumadinho, bonitinho e sem graça!!!!!



Se fiquei decepcionada?? Bastante! Esperava bem mais! Mas não é difícil de entender porque a saga oscilou tanto de ritmo. A história foi criada por James Frey, autor consagrado e polêmico, conhecido por contratar ghostwriters para escrever no seu lugar. No início, ao menos no primeiro livro, sabe-se que ele foi ajudado por Jobie Hughes, mas Hughes teria se retirado do projeto e sido substituído por Greg Boose secretamente. Más línguas também dizem que Boose a exemplo de Hughes teria rompido com Frey durante o penúltimo livro, mas isso é informação não confirmada, já que oficialmente, Goose nunca participou do projeto. Além disso, James Frey ficou conhecido por publicar uma autobiografia com diversos fatos inventados! Um miniescândalo no mundo da literatura, que, no entanto, não abalou as vendas de sua obra.

No final das contas, a obra ficou mais infanto juvenil, que jovens adultos como se propunha. Ainda assim, é uma boa saga de ação, mas poderia ser melhor! Espero que vocês gostem!

Por hoje é só galera! Beijo e até semana que vem!








Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Querido leitor,

Seus comentários deixam o nosso cantinho ainda mais especial. Agradecemos muito a sua participação! Até o próximo post! ;)

Equipe do Citação
ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário