Resenha | Mar de Rosas - Nora Roberts


Livro: Mar de Rosas
Autor (a): Nora Roberts
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Sinopse: Emma Grant é a decoradora da Votos, empresa de organização de casamentos que fundou com suas três melhores amigas de infância - Mac, Parker e Laurel. Ela passa os dias cercada de flores, imersa em seu aroma, criando e montando arranjos e buquês.
Criada em uma família tradicional e muito unida, Emma cresceu ouvindo a história de amor dos pais. Não é de espantar que tenha se tornado uma romântica inveterada, cultivando um sonho desde menina: dançar no jardim, sob a luz do luar, com seu verdadeiro amor.
Os pais de Jack se separaram quando ele era garoto, e isso lhe causou um trauma muito profundo. Ele se tornou um homem bonito e popular entre as mulheres, porém incapaz de assumir um compromisso.
Quando Emma e suas três amigas fundaram a Votos, foi Jack, o melhor amigo do irmão de Parker, quem cuidou de toda a reforma para transformar a propriedade no melhor espaço para casamentos do estado.
Os seis são praticamente uma família. E justamente por isso Emma e Jack nunca revelaram a atração que sentiam um pelo outro.
Mas há coisas que não podem ficar escondidas para sempre. 

Helo people!! Tudo bem?
A resenha de hoje é sobre o segundo livro da série Quarteto de Noivas: Mar de Rosas. Quem ainda não conferiu a resenha do primeiro é só clicar aqui. Lá foi apresentado todo o início da série e comentado como foi criado a Votos, empresa de casamentos das quatro amigas. No primeiro livro temos a história do casal Mac e Carter. Neste segundo livro, Nora Roberts nos apresenta um casal também muito amor, mas que são dominados pelo medo de perderem uma amizade que já construíram há algum tempo. 

Na Votos, Emma é responsável por toda decoração dos eventos, principalmente da ornamentação com flores. Do quarteto de amigas é a mais romântica e a que sempre desejou encontrar e viver um grande amor. Sempre teve uma paixonite por Jack, arquiteto e amigo de muito tempo, mas achava que essa grande amizade poderia ser um empecilho para algo mais. Por temer perder a amizade, preferia ocultar esse sentimento. Jack, por outro lado, por ter presenciado um mau relacionamento entre seus pais, considerava o verdadeiro amor como algo inatingível para ele e preferia viver relações de uma noite, sem se comprometer. Via em Emma uma mulher linda e encantadora. Era atraído por ela, mas também acreditava que um "algo mais" não iria dar certo. Até que um dia, após um beijo roubado e arrebatador dele em Emma, acabam descobrindo que querem experimentar um pouco mais um do outro. A história vai se desenrolando em todo o conflito que enquanto Emma quer viver um romance, Jack repele qualquer tipo de relação duradoura. Além disso, ambos têm muito medo que qualquer deslize ou sofrimento que essa relação pode causar, acabe estragando a amizade que criaram e que é muito importante para eles.
Não, não estava romantizando tudo. Por que fazia isso? Sempre passava da luxúria saudável para o romance. Esse era o seu problema e certamente estava enraizado na maravilhosa história de amor dos seus pais. Como poderia não querer aquilo para si também?
Após ler esses apontamentos da história você até pode pensar que se trata de mais uma leitura clichê água com açúcar. Não vou dizer que não é, pois é sim! Porém, trata-se um lindo, maravilhoso, encantador, cativante e tudo de bom clichê. Daquele que te faz suspirar em vários momentos da história e ainda dar boas risadas com as doses de humor que Nora Roberts consegue imprimir. Mar de Rosas é daqueles romances que a gente se simpatiza demais com a mocinha e se apaixona pelo mocinho. Emma é uma mulher bastante segura, que sabe o que quer. Sonhadora sim, mas sabe onde quer chegar. Jack, apesar de nunca ter tido um relacionamento sério, não é um cafajeste. Sabe ser muito encantador. O ponto alto dessa relação, é sem dúvida o vínculo que eles têm. A amizade que cultivaram durante anos, faz com que eles sejam verdadeiros o tempo todo e assim, é mais fácil conversar sobre os sentimentos. Os dois, quando decidem sair algumas vezes para perceberem o que está se passando entre eles, jogam limpo o tempo e deixam claro quais são suas expectativas e, de forma sincera, conseguem expressar o que estão sentido. Acreditam que podem viver sem cobranças e sem comprometimento. Porém, aos poucos, vão surgindo sentimentos que ficam cada vez mais intensos e, de certa maneira, os deixam confusos e sem saber a melhor maneira de agir.
--Então, em primeiro lugar, acho que amigos devem falar a verdade um para o outro. Ser honestos. Se nos dermos conta, depois dessa noite, de que não foi como esperávamos, ou se um de nós achar que foi bom, mas que já deu, temos que dizer ao outro. Sem ressentimentos.
 

Esse foi o segundo livro da Nora Roberts que li e mais uma vez pude "degustar" de uma leitura rápida, gostosa e muito fluida. A maneira como ela desenvolve o enredo é envolvente e toda ambientação criada é de se apaixonar. Difícil não gostar dos personagens e não se sentir encantada com a amizade existente entre eles que aliás, é um dos pontos fortes das histórias. Assim como no primeiro livro da série (Álbum de Casamento), em Mar de Rosas é possível sentir o quanto é bonita e verdadeira a relação que os personagens vivem. Essa relação é, sem dúvida, o que faz as histórias dessa série serem tão cativantes. Não tem como conhecer essas histórias e não desejar ler mais e mais dessas amigas.

Apesar de ter gostado (um pouco) mais do primeiro livro, essa segunda história também me emocionou demais. Nora sabe como escrever lindamente e proporciona boas horas de uma leitura apaixonante, viciante e mágica. Recomendo muito (toda a série) para quem gosta de um bom romance e deseja viver, através das páginas, momentos de leveza, amor, suspiros e encantamento. 

Bjo e até a próxima!


Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Querido leitor,

Seus comentários deixam o nosso cantinho ainda mais especial. Agradecemos muito a sua participação! Até o próximo post! ;)

Equipe do Citação
ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário