Moral da História | O Risco




Até que ponto somos nós que escolhemos o nosso destino? Até que ponto são definidos desde o nascimento o caminho que tomamos? Ao terminar a série A Aposta, da autora Rachel Van Dyken, me peguei pensando exatamente nisso. Em todos os três livros, a ideia foi a mesma: fazer com que alguém encontrasse o amor verdadeiro percebendo o que há em volta. No primeiro, sucesso. No segundo, também. Mas, por mais que o terceiro tenha obtido bons resultados, me coloquei a pensar sobre o assunto.

O amor não se cria, se encontra. Disso vovó Nadine sabe muito bem. No entanto, por vários momentos, fiquei confusa com a mensagem da autora. Afinal, não era exatamente o clã masculino que ela queria que direcionasse a própria vida? Ou era mesmo a mulherada o ponto da questão? A escrita da autora convence e encanta, é fato, as cenas hilárias ganham qualquer leitor de romance que se preze. Mas, fica aquilo: a quem a vovó teria ajudado, afinal?

Acredito que uma linha de pensamento seja necessária quando se trata de três livros, mesmo independentes. No caso destes, não houve grande mudança, a fórmula foi a mesma. Se eu gostei? Muito, claro. Analisando individualmente, eu me diverti todas as vezes. Agora, como série, como coleção, não.


E vocês, já leram O Risco?
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Clique aqui para comentários
04/08/2017 15:49 ×

OIe,
Nunca li o risco nem ouvi falar da série. Acredito muito em destino, mas acredito que nós podemos mudar ele também com o nosso livre arbítrio. Gostei de conhecer a série e gostaria de saber mais sobre ela.
Beijos
Blog Relicário de Papel

Parabéns Jessica Luise Santos.
Responder
avatar

Querido leitor,

Seus comentários deixam o nosso cantinho ainda mais especial. Agradecemos muito a sua participação! Até o próximo post! ;)

Equipe do Citação
ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário